A caminho do Nepal

20 comments

Namastê! Esta é a primeira palavra que o turista escuta ao desembarcar no acanhado aeroporto de Kathmandu. À propósito, um dos mais difíceis para pouso, uma vez que está em meio às montanhas do Himalaia e exige treinamento especial do piloto, que precisa fazer manobras similares a de um helicóptero (que exagero! rs)!
O aeroporto de Katmandu está em meio às montanhas do Himalaia
Bem, mas a viagem começa antes mesmo de se aterrisar na capital nepalesa. O feeling de Katmanhdu tem início já no avião e independente da cia aérea eleita, 50% dos passageiros (no mínimo) serão locais:


À bordo de um boeing da Air Arabia, onde apenas eu, meus pais, meu irmão e um casal europeu dividíamos um vôo lotado de nativos em plena época mais festiva do Nepal, foi mais do que suficiente para entender a cultura local nas três horas e meia que dividiam Sharjah da capital.

Os nepaleses são figuras interessantes. Muito morenos (herança da Índia), com olhos puxados (herança da China) e comportamento muito simples (herança Tibetana). A grande maioria usa um chapéu bem típico e sempre tem um pó colorido na testa, o que comprova que rezou para a sua divindade naquele dia.

O mix da Índia com a China: assim são os nepaleses
(com meu 1.62metro de altura, virei gigante no Nepal)

Durante o vôo, estavam amendrontados e inquietos, devido a falta de costume em voar. Que contraditório, povo tão acostumado a altas altitudes, mas voar que é bom... nada! Alguns, para distrairem, escutavam música em seus celulares - detalhe: sem fone! Era uma disputa de músicas folclóricas em volumes altíssimos (vamos analisar pelo lado bom: imersão cultural total)! O serviço de bordo e o resultado dos banheiros dispensa qualquer comentário, mas imagine o que se passou com esta tribo nos ares! rs

Logo após o pouso, enquanto a aeronave ainda taxiava na pista, os nepaleses já corriam afoitos para pegar os pertences no bagageiro, enquanto a aeromoça tentava em vão fazê-los retonar aos seus devidos lugares. Chacoalhavam para um lado e para o outro, na tentativa de serem os primeiros a desembarcar. Não havia ordem alguma e era um atropelamento só! Por um instante, havia me esquecido que estava em um avião, aquilo mais parecia um pau-de-arara do nordeste brasileiro.

Na chegada, nosso guia nos saudou com um colar de flores,  o típico welcome do Nepal:

Foi só perambular pelas ruas da cidade para entender tudo o que se passou no avião, trata-se do comportamento diário deles.  O trânsito é um caos e não há qualque regra. Aliás, a regra é você quem faz, mas no geral é cada um contra todos!

Cena comum: as pessoas andando no teto de caminhões e ônibus. Como não escorregam??

As ruas também são um capítulo à parte: escuras (as que tinham alguma iluminação, eram pálidas e quase não se enxergava nada do mesmo jeito), sem passeio, com carros (aliás, latas-velha), carroças, tuk tuk, bicicletas, motos, vacas e outros bichos e um milhão de transeuntes e ambulantes. Inacreditável! Para você que horrorizou com o Cairo ou com Hanói, tem que vir a Kathmandu quebrar paradigmas...  Namastê!

Veja todas as dicas de viagem pelo Nepal:

Introdução: o Nepal é assim
Katmandu: a capital e o 1o antigo reino do Nepal
Boudhanath Stupa: o Tibet dentro do Nepal
Patan: o 2o antigo reino do Nepal
Bhaktapur: o 3o antigo reino do Nepal
Pashupatinath: a Varanassi do Nepal
Nagarkot & Dhulikhel: campos de arroz pertinho dos Himalaias
Dicas práticas para o Nepal

Aproveite também para espichar a viagem até a Índia!

20 comentários:

Matheus disse...

Esses posts do Nepal vão ser realmente incríveis, mal posso esperar o próximo! Sobre aquele negócio das pessoas encima dos ônibus e caminhões, aqui em Recife é muito comum encontrar gente encima dos ônibus e não é nem pra ir de graça, pagam a passagem e sobem pela janela e lá encima ficam "surfando", é realmente assustador...
Ótimo post ;)

Fê Costta disse...

Oi Matheus!!

Não sabia que tinha disso no nordeste! Tem doido em tudo que é lugar mesmo! rsrs

O Nepal é muito louco! Vc vai perceber isso nos próximos posts... rs

Saudações

Blog Boa Viagem disse...

Fê Costa! Que INVEJA você me passa! Dia a dia eu fico louco com os lugares pelos quais você já passou! Meu sonho de consumo é conhecer o NEPAL!
Bjos e óoootimo post!

Margarida Nobre disse...



Acho que o Nepal é um pouco demais para mim...hehe...na verdade eu adoro ver tudo super limpo e organizado,por isso acho que ia passar mal por lá...hehe
Apesar disso, estou morrendo de curiosidade para saber das suas aventuras nesse local tão diferente...

Mil beijos

Arthur disse...

Ué, se tem surfista ferroviário, rodoviário e até de Sandero... (propaganda do carro aqui no Brasil que querem vetar: um cara em cima de uma prancha de surf no bagageiro do carro)
Não sei se recomendo experimentar a comida nepalesa, principalmente a de rua.... ;)

Fê Costta disse...

Ei Margarida!!!

Menina, primeiro de tudo: adivinha quem eu conhecí ontem?? A Claudia Liechavicius!! Tivemos momentos agradáveis durante um chá no Atlantis, conversamos até! Ela é super simpática e uma graça de pessoa! :)

Bem, sobre o Nepal, já percebí o seguinte: as pessoas amam ou odeiam aquilo ali. Não existe muito meio-termo. Foi o lugar mais estranho que já fui na minha vida e jamais voltaria. Mas, ainda bem que viví a experiência, só assim a gente passa a dar mais valor à organiazação do mundo ocidental! ahahaha

E como anda Portugal?

Bjos para vc!

Fê Costta disse...

Olá Boa Viagem!!

O Nepal é um lugar muito diferente, lugar de quebrar paradigmas. Tem que estar muuuuuito preparado para ir lá! hahah

Vai se preparando aí nos posts!

Bjos

Brenda Tavares disse...

Já vi um documentário sobre os aeroportos mais perigosos para o pouso, e lá estava este! Ai que frio na barriga heim!!
As fotos estão bem descritivas, nos fazem entender bem o que vc está vendo naquele momento. E se encaixam direitinho com os textos. Muito bom!

Mile disse...

Eu gosto de conhecer lugares assim, diferente de tudo que vivo justamente para valorizar mais e reclamar menos.
Eu ia ficar louca com o trânsito, isso sim me incomoda, a falta de organizaçao. Ah, e tb ia enlouquecer no aviao, eu que gosto de ir tranquilinha ficar ouvindo musica de todo tipo...nossa, mas quem tá na chuva tem que se molhar né? Essas experiências valem muito a pena, mais uma história de vida pra contar e mais enriquecimento pessoal.
Bjoks

Margarida Nobre disse...



Eu não acredito que vc conheceu a Cláudia!!!Eu adoraria ter tomado chá com vcs...ainda para mais aí no Dubai...hehe...mas tenho a certeza vai haver uma oportunidade para nos encontrarmos!!

Portugal vai bem...não é um modelo de organização como eu gosto...mas também não é como o Nepal...hehe...e agora está fazendo um sol lindo!
Beijinho

Vagamundos disse...

Gostamos muito da introdução ao Nepal, destino que gostavamos muito de conhecer.
Bjs

Camila disse...

Fê, estou curiosa para saber o que veio em seguida! Depois desse caos, aposto que veremos lindas paisagens por aqui!

Beijos!

Fê Costta disse...

Oi Brenda!

Pois é, dá um friozinho na barriga mesmo. Imagina só, a cidade tem uma extensão pequena e é cercada de montanhas de 6 mil metros de altura. O avião precisa fazer uma manobra arriscada, de descer rapidamente da altura de cruzeiro até o pouso. É desconfortável e estranho... Conheço alguns pilotos aqui nos Emirados e apenas um deles está apto para fazer este vôo, pois realmente exige um treinamento grande antes. Loucura, né?! rs

Bjos

Fê Costta disse...

Oi Mile!

É, fica aquela sensação: ainda bem que fui e melhor ainda que já voltei! rs ;)

Bjo!

Fê Costta disse...

Margarida, sem dúvida teria sido agradabilíssimo se você pudesse ter participado! Falamos inclusive de você! ;)

Vamos programar um encontro nosso, de preferência num lugar incrível tipo as Dolomites! Ai, ai, aquele seu post não saiu da minha cabeça!! ;)

Bjos!!!

Fê Costta disse...

Olá Vagamundos!

Que bom que gostaram! Na verdade, a introdução vem à seguir. Aqui foi só mesmo um "conto" de como foi a ida. rs

Bjo grande para vcs!!

Fê Costta disse...

Camila,

Infelizmente não fui nos lugares de beleza extraordinária do Nepal, como em Pokkara ou nmo vale do Everest... Apesar de ser apenas 200 km de Katmandu, a viagem dura quase 10 horas, porque as estradas e os veículos são um caos!...

Mas haverão fotos interessantes das 5 cidades que visitei! ;)

Bjos!!

Fê Costta disse...

Ei Arthur!

Nossa, esse povo inventa de tudo mesmo, hein?! E ninguém tem medo da morte? Que loucura!!

Pois é, a comida nepalesa, sobretudo a de rua, é disgusting! Vc vai conferir no próximo post!

E me conta, já está de malas prontas?? Já decidiu o pacote e os hotéis na Jordânia e em Dubai? Tô chegando lá daqui menos de 1 semana!! Estou super ansiosa para interpretar Indiana Jones! hahah

Saudações!

Arthur disse...

Fê, já está tudo decidido. Embarco em breve, se Alá quiser.

Abs!

Fê Costta disse...

Inshallah Arthur!!!

Derrepente a gente se esbarra lá! Se ver uma turma de brasileiro à la Indiana Jones e tirando foto sem parar, vai logo nos reconhecer! rsrs

Boa viagem e vamos trocar as fotos depois!

Abraços!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...