seguro viagem

1 comments
 Seguro de viagem é aquilo que você paga e não quer usar de jeito nenhum. Se precisar de usar, significa que algo não correu bem como deveria e por isso, é preciso tê-lo sempre a mão quando houver um acidente, uma doença, um extravio de bagagem ou mesmo um atraso de vôo. Conforta, ajuda e reduz o prejuízo!

As opções existentes são Seguro Viagem ou Assistência de Viagem, veja a diferença entre elas:
·         Seguro Viagem: a cobertura é por evento, ou seja, o segurado tem direito ao valor integral do plano em cada situação e não há limite de idade. Cobre qualquer tipo de esporte de risco.
·         Assistência de Viagem: existe um limite na cobertura, que é descontado conforme a circunstância e o usuário com mais de 60 anos pode ter de pagar até 50% a mais no valor do serviço. Em termos de esporte, apenas cobre a prática de esqui, nada mais radical do que isso.

Obviamente que a cobertura mais completa é o melhor, entretanto pode pesar no bolso, principalmente se a viagem for longa. Costumo usar a seguinte linha de pensamento:
·         Para pessoas saudáveis de até 40 anos: uma boa cobertura para casos de acidente (e consequências) é o suficiente. Assim, a opção mais acertada é a assistência de viagem.
·         Para pessoas acima de 40 anos ou com algum histórico de saúde que necessita de supervisão constante: uma boa cobertura para qualquer necessidade. De um simples resfriado até casos mais graves.
Os seguros mais tradicionais de viagem são da Travel Ace e da Mondial, ambas oferecem a opções acima listadas. Para quem é mais jovem, descolado, entende bem o inglês, sugiro usar o World Nomads. É fácil e barato, mas tem uma cobertura enxuta.

Quem viaja para a Europa ocidental, especificamente no chamado Espaço Schengen (Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Itália, Islândia, Holanda, Luxemburgo, Noruega, Portugal e Suécia) tem que ter seguro com assistência médica mínima de 30 mil euros. Este é um dos requesitos obrigatórios de entrada nos países listados.


Muitos seguros também tem cobertura para extravio de bagagem e cancelamento de viagem, que geralmente rembolsam ao cliente entre USD 500 a USD 2mil. É imprescindível apresentar o número do formulário de reclamação junto à cia aérea, junto às notas que foram gastas para sua “sobrevivência”naquele período. Fique atento ao limite da seguradora.
Geralmente os seguros funcionam assim: Quando você precisar de alguma ajuda para algum mal estar ou problema de saúde, você contacta o toll free da seguradora (se tiver contratado o seguro no Brasil, você terá atendimento em português ou espanhol) e eles lhe darão a opção de ser atendido por um médico que vai até o seu hotel ou então ser encaminhado (ou recomendado) até algum hospital nas proximidades de onde você está.





Parece simples, mas na hora do desespero ou da preocupação, parece uma situação difícil e interminável! Então, você já sabe. Basta manter a calma que após seu chamado, você terá o atendimento médico entre 2 a 4 horas. Se o caso for realmente grave, é melhor que vá direto ao hospital e receba atendimento imediato. Neste caso, você faz o pagamento direto e depois apresenta a nota fiscal para a seguradora solicitando o reembolso (veja no site delas como proceder, geralmente é preciso preencher um formulário). 


Por mais que as seguradoras e os pacotes escolhidos possam ser confiáveis, é importante lembrar que existe todo tipo de gente no mundo. Alguns médicos podem querer tomar vantagem da situação e recomendar uma bateria de exames desnecessários só para engordar a conta. O atendimento remunerado por seguros-viagem é geralmente muitas vezes superior ao pago na região, sobretudo quando é à domicílio e assim, muitos médicos acabam perdendo a ética e exploram a seguradora (e consequentemente o paciente) em benefício próprio.
Você pode até pensar que mal há em fazer alguns examezinhos? Mas lembre-se que você está em viagem e seu tempo é sagrado! Quer fazer um check up? Faça quando voltar ao Brasil, não quando está em viagem, sobretudo no exterior.


Um fato desagradável aconteceu conosco. Estávamos em Budapeste, na Hungria, e minha mãe já reclamava de fortes dores no abdômen há dois dias. No final do 2º dia acionamos o seguro e 4 horas depois recebíamos o médico húngaro em nosso hotel. Depois de alguns exames de toque na barriga, o médico chegou a conclusão que minha mãe estava tendo uma apendicite e que deveria ser internada com urgência no hospital. A ambulância rompeu o silêncio da madrugada chuvosa em Budapeste e em poucos minutos chegávamos num hospital sombrio, com ares comunistas da 2ª Guerra Mundial. As luzes foram acessas e um médico sonolento veio nos atender. Este novo médico e o anterior chegaram a conclusão que minha mãe deveria ser operada naquele mesmo instante  à propósito ela já se sentia tão bem que não mais se lembrava das dores que havia sentido. Obviamente, fomos relutantes ao parecer do médico. Minha mãe poderia estar com úlcera ou queimação no estômago, mas não uma apendicite perdurante por 2 dias! Por fim, os médicos me fizeram assinar uma carta de total responsabilidade pela vida da minha mãe e disseram que ela somente poderia ser liberada após uma bateria de exames (sangue, raio-X, ultrassom, endoscopia)!
Já eram 9 da manhã quando retornamos ao hotel. Foi uma noite interminável de mímicas e muito suspense. Voltamos com os resultados dos exames para o Brasil, mas nenhum médico conseguiu decifrar o Magiar, o idioma dos Húngaros. Hoje o ocorrido é motivo de risada. Depois deste incidente, minha mãe já utilizou os serviços do seguro em Dubai e em Bangkok, ambos foram satisfatórios.



Fica a dica: caso receba um parecer do médico duvidoso, analise a situação, troque uma idéia com algum parente, ligue para o médico de rotina no Brasil. Em último caso, peça ao seguro que envie outro médico.

Não fique na dúvida, faça o seu seguro viagem ou assistência de viagem!
Já dizia o dito popular: seguro morreu de velho...


Aproveite para ler também:

Como encontrar o melhor hotel 


Viaje melhor
10 passos para planejar sua viagem:
Veja +
Porque viajar?
É possível viajar o mundo todo?

Dicas de Viagem de mais de 60 países


Atenção:
Não é permitida a reprodução total ou parcial dos textos. Site protegido com direitos autorais. Copiar é crime. 



Um comentário:

Carla Ferreira disse...

Oi Fe, ótimo esse post! Vou encaminhar agora como referencia para algumas pessoas que sempre me perguntam. Show! Bjsss

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...